Caros amigos, você já se perguntaram o aconteceria de juntássemos Dark Souls com jogos em anime? Bem, a Bandai Namco pensou nisso e criou Code Vein, um game que possui todo um estilo gráfico em Cell Shading, mas com a jogabilidade casca grossa de Dark Souls.

 

FICHA TÉCNICA:

Desenvolvedora: Bandai Namco

Publicadora: Bandai Namco

Genêro: RPG/Ação

Lançamento: 2019

Jogadores: 2

Plataforma: Xbox One, Playstation 4, Windows PC

A História

O mundo de Code Vein é muito, mas muito lascado. Após alguns eventos ocorridos anos atrás, o mundo todo está destruído e a raça humana está praticamente extinta. Os poucos humanos que ainda existem no mundo precisam fugir e se esconderem para que o seu sangue não seja drenado pelas “aparições”, seres humanos que ganharam poderes além da compreensão ao custo de ficarem fadados a sede de sangue. Quanto mais sede as aparições sentem, mas de suas memórias são perdidas até que se transformem por completo em monstros.

Nosso personagem aparece do nada e com poderes únicos que pode talvez mudar o rumo de todo o mundo e trazer uma nova esperança para a humanidade.

O Game

Logo de cara nós temos uma ampla customização do nosso personagem. Podemos escolher o gênero, altura, tipo de voz e até mesmo se ele/ela usará chapéus, óculos e afins.

Após concluir a criação do personagem, nós somos apresentados ao mundo de Code Vein, um local bastante destruído, com ruínas de prédios, carros e grandes crateras espalhadas por todos os lados. Alem disso, temos as aparições, que diferente de nós, perderam suas memórias e vagam com a ânsia de sangue o tempo todo.

Aqui podemos ver o excelente trabalho feito pela Bandai Namco. Os gráficos em Cell Shading são muito bonitos e casam perfeitamente com o clima “Pós-apocaliptico”. Os personagens secundários e os vilões principais são carismáticos e bem construídos, dando a impressão de que estamos assistindo um anime de alto nível. Também posso dizer um pouco sobre os efeitos de luz e sombras que são muito bonitos.

Um detalhe bem legal é que cada arma, cada armadura muda completamente o aspecto do nosso personagem. Se escolher usar uma espada grande, o nosso personagem irão carrega-la nos ombros e terá uma mobilidade um pouco mais lenta. Agora se escolher uma arma mais leve, ela ficará embainhada nos momentos fora da ação e a nossa mobilidade será mais rápida.

Nossa armadura, aqui chamada de Veu de Sangue  nos ajuda a melhorar nosso atributos como ataque, defesa, agilidade, evasão ou melhorar nossa resistência à gelo, fogo, veneno e por ai vai. Cada véu de sangue garante status positivos ou negativos em alguma área.  Tanto as armas quanto as armaduras podem receber upgrades ao gastar certos metais no ferreiro, claro que também ao custo de alguns sangues (algo equivalente as almas em Dark Souls), e quanto mais avançamos na história, mais desses metais encontramos para melhorar nossas armas e armaduras. Mas veja bem, esses metais são um pouco raros e é necessário explorar bem cada canto do jogo para encontrá-los e melhorar as armas e armaduras.

Um fato bem legal é que não somos presos à trocar de arma ou armadura constantemente. Eu mesmo achei um espadão logo no começo do jogo e fui com ele até o final sem problema algum. Eu upei essa espada até ao máximo, junto com o véu de sangue que também peguei um pouco depois do inicio do game e finalizei o game sem problema algum. Mas não pense que o jogo é fácil, não mesmo caros amigos. Code Vein tem de onde se inspirar e claro que ele não seria um jogo para qualquer um.  O game é bem difícil, tento respawn de inimigos sempre que localizamos os Viscos que além de salvar o nosso progresso, eles também liberam o mapa da área que estamos. Ao descansar no Visco, podemos salvar o progresso, ou regressar para a nossa base para reabastecer nossos suprimentos, ou upar uma arma ou armadura, upar o nosso nível ou simplesmente trocar o nosso parceiro de batalha, mas calma que eu vou explicar isso mais à frente. Ao descansar no visco, todos os monstro na qual já derrotamos voltam a perambular pelo cenário, nos obrigando a enfrentá-los ou passar correndo por eles como se não houvesse amanhã.

Quando a gente sucumbi para algum monstro, perdemos o nosso sangue que coletamos quando derrotamos algum inimigo e renascemos do ultimo Visco que descansamos. O nosso sangue coletado ficará exatamente no local aonde morremos e caso a gente morra no meio do caminho, aquele sangue que tínhamos e estava caindo pelo cenário será totalmente perdido, então fique esperto quanto à isso.

Já a mecânica de Code Vein é bem parecido com o de Dark Souls aonde temos um botão de ataque fraco,  ataque forte, defesa, esquiva, corrida, botão para selecionar e usar recursos/suprimentos e também o botão que libera o ataque chamado “código de sangue”.  O código de sangue é um ataque físico ou mágico que consume nossa mana e é recuperada com o passar do tempo. O código de sangue pode ser obtido em alguns lugares dos cenários, dos Bosses ou até mesmo de nossos amigos no jogo.  Aqui existe um fato bem legal sobre isso. Em nossas explorações pelo mundo de Code Vein, nós localizamos alguns objetos que é chamado de “objetos do mundo antigo”, que nada mais são do que xícara de chá, livros de romances, mangás e até peças intimas! Ao presentear um personagem com o objeto correto, ele nos dará algo em troca como minério para melhorar nossos equipamentos, suprimentos ou um código de sangue novo. E por falar nisso, podemos também levar um personagem conosco nas missões e isso ajuda demais. Cada personagem tem seus atributos, como ser mais agressivo, mais ponderado, usar magias de cura, ou magias de ataque em área e assim por diante.

Podemos também jogar em dois players para realizar as missões do jogo. Podemos tanto jogar com um amigo nosso, quanto entrar em uma partida aleatória e ajudar algum desconhecido e isso deixa o jogo mais divertido e um pouco mais fácil.

E o que eu poderia dizer do som de Code Vein? Simplesmente maravilhosa e impactante. As músicas foram muito bem produzidas e boa parte delas combinam com o local na qual estamos, mas nem todas são tão boas assim e vez ou outra elas servem somente como música de fundo passável em que mal percebemos que está tocando uma musica ali.

A atuação japonesa de voz ficou maravilhosa como sempre e cada personagem tem uma voz que combina e muito com eles. Claro que existem vozes aqui na qual ao ouvir, já nos lembramos de tê-la escutado em algum anime como Naruto, Bleach ou One Piece. Já a dublagem americana é boa e aceitável, um trabalho bem feito por parte dos dubladores.

Por fim, Code Vein possui três finais diferentes. Um final bom, um final neutro e um final ruim e após finalizar o game, podemos iniciar o “New game+” com todos os nossos atributos atuais, nosso nível, armas e armaduras e também podemos permanecer com o mesmo nível de dificuldade, algo diferente de Dark Souls na qual à cada nova finalização, o game ficava mais difícil. Isso ajuda e muito a finalizar mais rápido o game para ver os outros finais.

CONCLUSÃO:

Code Vein é um game que sinceramente me surpreendeu bastante. Eu achava que o game seria mais um Souls Clone que temos a exaustão no mercado atualmente. Com um enredo meio clichê, mas muito legal, gráficos interessantes, jogabilidade parecida com Dark Souls, mas colocando um pouco de personalidade própria, uma boa customização e longevidade, acaba pecando apenas na renderização lenta de alguns objetos pelo cenário, ou até mesmo dos personagens que mesmo rodando o game no Xbox One X e Playstation 4 Pro, ainda sim se mostram meio borrados, mas que de forma alguma estragam toda a competência que a Bandai Namco teve ao criar esse excelente game.

Atualmente Code Vein sempre entra em promoção na PS Store e  MS Store à preços que variam de R$79,99 para a versão normal ou R$109,99 para a versão Deluxe. Então, vale muito a pena pegar esse game e se divertir muito.

Clássico do PS1 com troféus A principais notícias do dia 15 de maio