Continua após a publicidade..
Continua após a publicidade..
ArtigosDestaque

Demon’s Souls | 15 anos do jogo que criou o gênero “Soulslike”

Comemore conosco

Continua após a publicidade..

Quantas vezes morrer foi algo natural em um jogo? Ainda que jogos como Battletoads tenham sido sinônimo de dificuldade, Demon’s Souls elevou esse conceito a um patamar tão elevado, que nunca morrer se tornou algo tão íntimo em um jogo como no clássico da FromSoftware. Criador do gênero Soulslike, Demon’s Souls está comemorando seu 15º aniversário, e nós do Games Ever, como fãs da franquia, estamos trazendo um especial sobre o jogo que carrega uma legião de fãs, apreciadores da morte e do desespero.

Desenvolvendo o conceito de um gênero Souls

Ainda que a FromSoftware seja uma desenvolvedora tradicional, lançando jogos conhecidos como King’s Field e Armored Core, a Dev japonesa criou algo totalmente novo quendo começou o desenvolvimento de Demon’s Souls. O Projeto foi desenvolvido com o apoio de Hidetaka Miyazaki, que estava na empresa desde 2004 e já havia trabalhado na franquia Armored Core, por exemplo. Miyazaki dirigiu todo o projeto, que também foi apresentado a Japan Studio, que imediatamente se tornou parceira na criação do jogo. Vale mencionar que a exclusividade do jogo no PlayStation 3 não foi nada casual, pois a Sony também auxiliou na criação do jogo, já que Takeshi Kajii da Sony também esteve envolvido no desenvolvimento e produção do jogo. Todas essas mente juntas nos sugerem um jogo fácil de se desenvolver, mas as coisas não foram bem assim, sendo que o jogo sofreu com discordâncias no rumo que o jogo deveria tomar ainda na formação do conceito.

Inicialmente, o conceito se baseava na ideia de trazer a vida “diferenciais perdidos de jogo de ação”, conceito esse proposto pela primeira vez por Kajii. Entretanto, o conceito trouxe discordâncias entre os membros da equipe, e por consequência o projeto original enfrentou dificuldades. A FromSoftware não acreditava no conceito de jogo de fantasia, olhando para o jogo com desconfiança com relação à aceitação do público. Miyazaki se manteve irredutível, decidindo que, caso assumisse o projeto, poderia levá-lo na direção que quisesse, com total poder de decisão sobre o conceito do jogo, por exemplo. Miyazaki estava tão certo da direção que queria levar o jogo, que não importava se seus próprios esforços fracassavam. Ainda que com esses problemas iniciais no desenvolvimento, Demons’s Souls teve uma produção que levou aproximadamente três anos, o que não é muito, considerando toda criação do jogo.

Demon’s Souls PlayStation 3 – Vanguard, primeiro boss do jogo.

Desbravando uma terra amaldiçoada

Ainda que Demon’s Souls passe a ideia de um jogo de RPG e fantasia comum, quando o jogo começa, percebemos que estamos diante de uma proposta totalmente nova, e com um conceito de dificuldade mais apurado e exigente. Enquanto passamos pela criação do herói e a distribuição de seus atributos, não percebemos muita inovação, mas quando de fato, entramos no universo do jogo, as coisas mudam completamente e entendemos por que houve desconfiança da FromSoftware durante o desenvolvimento do game. Estamos diante de algo novo e incomum até então.

Falando sobre o universo do jogo propriamente dito, ele está dividido em seis áreas; o mundo central Nexus e cinco mundos adicionais subdivididos em quatro áreas que terminam em um encontro com chefes de cada fase. O combate depende do tempo para ataques e blocos de armas, com diferentes tipos de armas, abrindo uma variedade de opções de combate e alterando a velocidade de movimento do jogador. Com a inclusão o medidor de resistência, temos um combate mais técnico, pois cada golpe consome a resistência, e sem ela, não podemos atacar ou correr, com seu gerenciamento formando uma parte central do combate. A moeda do jogo e baseada em Souls, bem como é também o que nos permite melhorar os atributos do nosso herói. À medida que o jogador investe, o número de almas necessárias para melhorar os atributos aumentam, exigindo que o jogador tenha um gerenciamento mais complexo desses atributos. Demon’s Souls é um jogo que preza pela dificuldade, desde o início do jogo, os inimigos têm o mesmo balanceamento, exigindo que o jogador seja prudente. Itens de cura são escassos e geralmente não podem ser comprados durante as fases, e ainda que sejam, também são disponibilizados em uma quantidade limitada. Quando um jogador é morto durante um nível, eles são enviados para o início do nível com todos os inimigos comuns retornado ao campo de batalha, enquanto o jogador retorna em forma de alma com menor saúde máxima e a perda de todas as almas não utilizadas.

Se o jogador conseguir chegar até no ponto em que foi morto pela última vez, ele recupera suas almas perdidas. No entanto, se forem mortos antes disso, as almas se perdem permanentemente e o jogador é punido novamente, com o consumo de sua barra de energia e resistência. Ao derrotar um chefe, o jogador pode optar por re-spawn de volta para o Nexus, que atua como um hub onde os jogadores podem trocar almas, armazenar itens e viajar entre regiões, ou continuar sua jornada pela área. Quando derrotamos um chefe, criamos uma Archstone, e podemos viajar a qualquer momento pare esse local.

Demon’s Souls — Jogo criou um sistema totalmente novo, onde o jogador é punido duplamente ao morrer, sendo considerado um jogo punitivo.

Demon’s Souls também conta com um modo multiplayer no formato assíncrono. Os jogadores quando conectados ao modo, podem navegar pelos níveis, observando as ações de outros jogadores como fantasmas na mesma área. Quando um jogador morre, uma mancha de sangue pode ser deixada no mundo de jogo de outros jogadores que, quando ativada, pode mostrar um fantasma jogando seus momentos finais, indicando como essa pessoa morreu e ajudando potencialmente o jogador a evitar o mesmo destino. Outra coisa bastante interessante, é que os jogadores podem criar frases com palavras pré-escritas e deixá-las no chão que também para poder ajudar (ou atrapalhar) outros, como antecipar posições seguras ou hostis, locais de armadilha e táticas contra inimigos ou chefes, por exemplo. Também é possível compartilhar itens com outros jogadores. Como Demon’s Souls usa consumíveis deixados pelos inimigos para forjar as melhores armas, muitas vezes os jogadores solicitam itens de outros para conseguir forjar essas armas.

Ademais, é possível que que até três personagens se juntem em um mundo anfitrião onde os jogadores visitantes aparecem em forma de alma que só pode ser devolvida aos seus corpos quando um chefe é derrotado. No modo competitivo, conhecido como PVP, os jogadores podem invadir outro mundo como um Fantasma Negro para entrar em combate com o jogador anfitrião. Se o Fantasma Negro matar o hospedeiro, eles podem ser devolvidos ao seu corpo em seu próprio jogo, enquanto se forem mortos, o hospedeiro ganha uma parte das almas do Fantasma Negro, bem como o fantasma perde um nível de experiência. Alguns elementos multiplayer são incorporados diretamente em eventos de jogabilidade. Todos esses elementos formara um multiplayer bastante particular, focado mais na experiência do jogo do que na comunicação entre os jogadores.

Invadindo almas e destruindo corações

Assim que foi lançado, Demon’s Souls foi calorosamente recebido pelos jogadores no Japão. Inicialmente, o jogo vendeu mais de 40 000 cópias em sua primeira semana no Japão. Com tamanho sucesso, e por ser um exclusivo de PlayStation 3, o jogo alavancou as vendas do console naquele periôdo. Até dezembro de 2009, vendera um total de 134.585 cópias no Japão. Na América do Norte, Demon’s Souls estreou no décimo primeiro lugar na lista de outubro de 2009, conforme o NPD Group, com mais de 150.000 cópias vendidas, e vendendo mais de 500.000 até setembro de 2010.

Ainda falando sobre a recepção do jogo, se com o consumidor o jogo foi muito bem recebido, a mídia especializada também caiu nas graças do jogo da FromSoftware. A Dengeki concedeu ao jogo a nota 95/85/85/85, comentando que “fãs de jogos ‘old-school’ derramarão lagrimas de alegria”. A conceituada Famitsu deu a nota 29 de 40 (9/7/7/6) com o seguinte comentário de um de seus editores: “um jogo que você aprende como jogar através da derrota — você frequentemente morrerá de forma súbita. Mas continue jogando e você perceberá o quão profundo ele realmente é”, enquanto outro editor achou o jogo “muito estoico… não é um jogo para qualquer um”. Em seu lançamento na América do Norte, a resposta dos críticos foi muito favorável com uma média de notas de 90% no GameRankings e 90/100 no Metacritic.

Como mencionamos anteriormente, a dificuldade faz parte de todo o conceito do jogo, e ainda que isso pudesse se tornar um problema, a construção da jogabilidade e da construção das fases foi tão bem pensada, que morrer, ainda que frustrante, não era consequência de uma má construção, mas sim de alguma desatenção do jogador. A GameSpot chamou a alta dificuldade de “justa”, comentando que os jogadores irão “indiscutivelmente sofrer muitos danos até aprender as sutilezas de enfrentar cada inimigo, mas o combate passa um sentimento de funcionalidade. A IGN reforçou esta opinião, encorajando os jogadores que “podiam relembrar os bons-dias antigos quando um jogo ensinava através do super efetivo métodos de reforço negativo e alto preço a se pagar por não jogar com cuidado, eles poderiam entender o jogo em um instante.

No lado técnico e de level design, a Games Radar chamou o jogo de “graficamente impressionante, parecendo mais com os antigos jogos ‘Ultima’ do que com qualquer coisa que já saiu do Japão.” A Game Trailers mencionou que o jogo “perfecciona o visual de fantasia sombria” junto com o que eles consideraram “música de instrumentos reais”, embora tenha haviado a reclamação da física do jogo ter alguns problemas de “tremulação”. Logo após o lançamento norte-americano, a ScrewAttack nomeou Demon’s Souls como o oitavo melhor jogo exclusivo de PS3 até então. Antes do lançamento do jogo na Europa, críticos europeus avaliaram versões importadas do jogo. A Eurogamer chamou Demon’s Souls “estoico, sem compromissos, dificil de aprender, mas, ao mesmo tempo, profundo, intrigantemente perturbador e perversamente recompensante”.

Demon’s Souls: um legado para além do nome

Demon’s Souls não recebeu uma continuação direta. Como bem sabemos, o jogo foi desenvolvido pela FromSoftware em parceria com a Sony como um exclusivo de PlayStation 3, e com a dona do PlayStation 3 sendo dona da propriedade intelectual do jogo. Diante disso, a Sony não autorizou que um novo jogo, com o nome Demon’s Souls fosse desenvolvido e lançado para outras plataformas, como queria a FromSoftware. Diante desse impasse, Demon’s Souls foi o unico jogo lançado, sendo Dark Souls sua continuação direta e sucessor espiritual, sendo lançado para PlayStation 3 e Xbox 360

Vale ressaltar que a Sony encarou o formato de lançamento do jogo como um erro, pois não acreditou no potencial de Demon’s Souls. O Vice Presidente de software internacional da Sony Computer Entertainment admitiu que foi um “erro” deixar o jogo passar, deixando que a Atlus o publicasse, devido a preocupações com sua dificuldade de desenvolvimento e decisões incomuns de design.

Por fim, o jogo recebeu diversos premios como os da GameSpot, sendo eles:

  • Jogo do Ano no Geral
  • Melhor Jogo de PS3
  • Melhor jogo de RPG
  • Melhor Mecânica Original para integração online

A Game Trailers,RPGFan e IGN concederam ao jogo os premios de:

  • Melhor RPG
  • Nova Propriedade Intelectual
  • Melhor RPG para o PS3[29] e Melhor RPG de Ação para Consoles
  • Melhor RPG para PS3

Diante de tudo que abordamos acima, Demon’s Souls pode ser considerado um dos games mais importantes de todos os tempos, pois apesar de todas as dificuldades que Hidetaka Miyazaki encontrou para colocar sua ídeias no jogo, ele se tornou um clássico absoluto, inovando em mecânicas e design, enquando proporcionava uma dificuldade elevada e um multiplayer minimalista enquanto boa parte dos jogos se inclinavam a um multiplayer mais social e interativo.

Infelizmente o jogo não pode rosseguir com seu nome original, mas independente disso, todas as propostas do jogo inicial continuaram em seus sucessores, apromorando conceitos e inspirando novos jogos com a criação do genero soulslike. Jogos como Mortal Shell, Lies of P e o aclamado Elden Ring, são a prova de que para além da franquia Dark Souls, novas aventuras estão sendo criadas e aprimoradas, elevando o conceito criado em Demon’s Souls. Entretanto, quem tiver sua esperança destruída nas constantes mortes no jogo original, terá a verdadeira experiencia de morrer em um jogo soulsike, parabens ao Demon’s Souls e a todos que morreram nas planices de Boletarian Palace.

Marcelo Souza

Apaixonado por jogos e consoles desde 1990. Quando não esta escrevendo em algum site de games, esta jogando ou ensinando o Felipe a jogar.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo