Um dos grandes games no Nintendo 64 chega ao PlayStation 4 e PlayStation 5 (Via Retrocompatibilidade) quase 25 anos mais tarde. O jogo não sofreu grandes melhorias, ao menos na PlayStation Store, não são citadas melhorias no jogo. Confira abaixo nosso review desse clássico dos consoles no PlayStation.

  • Jogo: DOOM 64
  • Desenvolvedora: id Software, Nightdive Studios, Midway Games, THQ San Diego
  • Publisher: id Software, Midway Games, Bethesda Softworks
  • Lançamento: 20/03/2020
  • Número de Jogadores: Single Player
  • Gênero: FPS
  • Plataformas: PlayStation 4, PlayStation 5

DOOM 64 – De volta a 1997

Como dissemos anteriormente DOOM 64 foi lançado para o NIntendo 64, chegando como um dos grandes lançamentos do console. Na época a Nintendo sofria para trazer grandes games third parties para seu console de 64 bits, com isso o game foi um grande sucesso entre os donos do console.

Particularmente joguei o game na época, e foi um dos jogos que me fez segurar o NIntendo 64 um pouco mais, antes de comprar meu PlayStation One. O jogo é praticamente uma adaptação para o console da Big N, já que outros consoles já tinha uma versão do jogo.

DOOM 64 se passa após o término dos eventos ocorridos em Doom 2, com o único Marine sobrevivente retornando para a terra. Os demônios, no entanto, continuam soltos nos corredores e complexos abandonados dos satélites Phobos e Deimos. Em uma tentativa desesperada de acabar com todos os monstros que habitam o local, o exército decidiu bombardear os satélites com radiação extrema na esperança de eliminar todas as monstruosidades. Inicialmente, foi um sucesso, mas alguma coisa sobreviveu a explosão.

A radiação impediu os sensores militares de detectarem tal forma de vida, e permitiu que esta passasse sem que fosse notada. A misteriosa entidade, tendo capacidade de ressuscitar qualquer demônio que visse, recriou uma horda inteira de criaturas e fez com que essas ficassem mais fortes do que nunca. Um grupo de Marines foi ordenado a conter os exércitos de demônios, mas foi brutalmente abatido.

O jogador é o único membro restante deste grupo de soldados.

Gameplay e Gráficos padrão N64

O Nintendo 64 era um console bem peculiar, pois enquanto SEGA e Sony, junto com suas coadjuvantes travavam uma guerra na geração 32 Bits, a Nintendo pulou essa geração, lançando seu console com 64 Bits. Isso poderia ser uma vantagem, mas nem sempre foi, e com o DOOM 64 tudo ficou mediano.

Com o lançamento atual, esperava-se algumas melhorias com relação o game original, entretanto parece que o pessoal não queria ter trabalho, portanto nada de melhorias. O jogo é um port direto, mantendo todas suas qualidades e defeitos, e confesso que os defeitos saltam as vistas, mas vamos falar primeiramente das qualidades do game.

DOOM 64, é um game que trás tudo o que fez sucesso na franquia da Bethesda, principalmente a sua dificuldade. Você não vai ter sossego no game, com inimigos que não param de aparecer, e sempre sedentos de sangue. Esses inimigos não tem um padrão, portanto eles vem para cima de você de maneira insana e sem se preocupar com os seus tiros.

No jogo você tem apenas de sobreviver enquanto procura a saída. para isso você vai contar com armas e munições espalhadas pelo cenário, alem de um mapa, que sinceramente, ajuda muito pouco. Você também tem armaduras que podem ajudar você a tomar menos dano, portanto não deixe elas para trás. Ademais, você também tem alguns itens que podem lhe propiciar invencibilidade ou invisibilidade por exemplo.

Os gráficos do game estão muito bons, com uma boa riqueza de detalhes no cenário. Apesar de algumas cores e texturas se repetirem de maneira sistemática, o jogo consegue mostrar alguma beleza, entretanto não espere nada além de texturas comuns e sem vida. Lembre-se, você esta jogando um game de mais de 20 anos de idade, em um console que não era exímio com a maioria de seus jogos.

Ademais, o game tem 24 fases, aonde você vai encarar, geralmente os mesmos inimigos e padrões. Vale ressaltar que o game tem seu próprio sistema de save, que era o sistema de Password, que serve para gravar seu avanço, e além disso, pode inserir cheats no game. O sistema conta com uma série de letras, números e caracteres que inseridos, lhe levam até a fase que que você avançou.

Sonoramente falando, o game mantém o padrão da série, com sons característicos, que tentam emular os sons das armas, engrenagens, elevadores e ruídos espaciais, por exemplo. As músicas passam um ar de tensão e principalmente a adrenalina que a tensão de estar cercados de inimigos.

Resumidamente, os sons e músicas, são melhores do que a versão do jaguar do game (!?!), caso você olhe as coisas com os olhos de hoje. Se você esta se situando em 1997, você vai encarar tudo com outros olhos.

Um game de “nicho” extremamente “datado”

Apesar de ser um grande fã da franquia DOOM, especialmente dos games DOOM 64 e BFG Edition, no caso desse primeiro, apesar de ter grandes lembranças, o game é cheio de problemas e esses problemas comprometem demais a gameplay, principalmente se você não esta acostumados com os games de 20 / 25 anos de idade.

Uma das coisas chatas que você vai notar logo no inicio é a mira. ela é automática, você apenas precisa apontar a arma na direção no inimigo, e independente de onde ele esteja o projétil vai atingir ele. mesmo que ele esteja em um nível elevado, ou inferior, o projétil vai em direção ao inimigo, algo realmente estranho.

Isso acontece devido ao nosso Marine não conseguir olhar para cima ou para baixo. Isso mesmo, você não consegue movimentar a câmera para cima ou para baixo, uma limitação que não é compreensível, levando em consideração a capacidade do console. Algo realmente frustrante, pois limita muito a diversão, além de deixar o game com uma gameplay bem difícil ao se mirar em um inimigo especifico.

Em DOOM 64, não podemos pular. Um dos recursos mais básicos dos games, não esta disponível ao nosso herói. Pular de uma plataforma para outra, apenas em lugares específicos, aonde o level design foi realmente desenvolvido para que você chegue naquele local. Sem muito o que dizer, apenas mais um fator extremamente negativo.

Por fim vamos ao mapa. Eele é exatamente igual aos mapas usados em Turok, Duke Nukem e outros FPS do Nintendo 64. Ajuda muito pouco, deixando por muitas vezes as coisas mais confusas que esclarecidas.

Apesar de até aquele momento, DOOM 64 estar no console mais potente da geração (em números), o jogo sofre com quedas bruscas de quadros, além de uma renderização pobre. Texturas pouco trabalhadas e sem qualquer inspiração deixam o game datado e com um aspecto muito feio.

Impressionante como eu guardava uma imagem totalmente diferente do jogo na minha memória. Mesmo sendo fã incondicional de DOOM 64, e após tantos anos, ter jogado outras versões do game na mesma época, vejo que mesmo em consoles supostamente mais inferiores, DOOM se saia melhor do que no console da Big N.

Confira abaixo nossa gameplay demonstrando um pouco do jogo:

DOOM 64 – Vale a pena?

Independente de qualquer fator positivo do game, DOOM 64, só vale a pena se você for fã incondicional da franquia, se você assim como eu, jogou o game no Nintendo 64 e quer reviver a experiência, ou se você esta procurando umas conquistas fáceis.

Para que esta apenas procurando um game para se divertir, o jogo não tem muito a oferecer, principalmente se você for um fã dos games atuais, e não esta acostumado com os games de 20 anos atrás, tome cuidado, pois você pode passar menos de 10 minutos no jogo.

Clássico do PS1 com troféus A principais notícias do dia 15 de maio