Continua após a publicidade..
Continua após a publicidade..
DestaquePCPlayStationReview

Alisa | REVIEW

Continua após a publicidade..

Depois de 4 anos, Alisa chega aos consoles, para agradar o público saudosista que estava ansioso por um jogo de terror que relembrasse os tempos de ouro da geração 32 bits.

  • Jogo: Alisa: Developer’s Cut
  • Desenvolvedora: Casper Croes
  • Publicadora: Casper Croes
  • Lançamento: 06 de fevereiro de 2024
  • Número de Jogadores: 1
  • Gênero: Survival Horror
  • Plataformas: PS4, PS5, PC
  • Site Oficial: Aqui

Os Anos 90 Estão de Volta

Lançado em 2020, Alisa foi desenvolvido pelo desenvolvedor Casper Croes. As influências que ele utilizou em seu projeto são evidentes, mas também são múltiplas. O jogo em por objetivo relembrar a época de ouro dos jogos de terror e sobrevivência: a geração de consoles 32 bits. Com eternos clássicos como Resident Evil, Silent Hill, Dino Crisis, Parasite Eve e vários outros jogos que beberam da mesma fonte, não há um único jogador que ame jogos de terror e que não suspire de saudosismo ao se lembrar dessa época. Pois bem, Casper Croes resolveu então nos presentear com um jogo que nos faz relembrar com riqueza de detalhes dessa época.

O visual é propositalmente datado, ao estilo dos jogos do primeiro Playstation, com modelagens poligonais sobre fundos pré-renderizados. A jogabilidade é ao estilo tanque, bem truncada, como nos jogos de terror da época. Os inimigos aparecem por todos os lados, os saves são limitados e a munição é escassa. Todos os elementos estão presentes para uma experiência bem saudosista.

A protagonista se chama Alisa, uma militar do império que veio até uma cidadezinha suburbana para investigar alguns desaparecimentos e acontecimentos paranormais. Após entrevistar moradores locais, ela acaba se deparando com monstros e perdendo a consciência. Ao despertar, ela está trajando um vestido de boneca e em uma mansão repleta de armadilhas e monstros terríveis. E assim o maior pesadelo da vida de Alisa se inicia.

Alice no País das Bonecas

Entre as grandes referências de design dos personagens, está Alice, sabe, do País das Maravilhas. Só que o estilo de terror adotado no jogo faz muita referência a palhaços e o universo circense de modo geral. É como se a Alice (ou melhor, Alisa) tivesse sido transportada para uma enorme casa de bonecas, com direito a vestidinho e tudo, e todos os palhaços do circo querem nos matar. A maior parte dos inimigos do jogo se assemelham a palhaços, bonecas, malabaristas, marionetes e brinquedos infantis. Se você tem medo de palhaços de aparência doentia, é melhor nem olhar esse jogo.

A outra referência é o período vitoriano. O jogo se passa nessa época, e isso se evidencia pelas casas de época, os castelos, as roupas e também as armas. Afinal de contas, nossa protagonista Alisa é uma guarda real, e portanto sabe manejar uma espada muito bem, além de disparar as várias armas de fogo com nomes exóticos e um estilo datado, de época. A mistura de estilos cria uma mescla bem interessante, e cria um charme exótico para o jogo.

Inimigos por Todos os Lados

Enquanto anda pelos corredores da mansão buscando por uma saída, Alisa encontrará uma série de criaturas hostis tentando matá-la. A variedade de inimigos difere bastante do que estamos acostumados, pois ao invés de zumbis, cachorros e criaturas horrendas com garras enormes, enfrentaremos palhaços, malabaristas, bonecas e marionetes. Até mesmo cavaleiros medievais farão sua aparição ao longo da aventura, assim como vários outros inimigos incomuns. Cada inimigo se comporta de maneira distinta, tornando o combate complicado e por vezes, caótico. Alguns inimigos andam lentamente pelo cenário, enquanto outros correm e pulam por aí. Alguns dos inimigos até mesmo rastejam pelo chão, tornando a tarefa de mirar neles um verdadeiro desafio.

A grande quantidade de inimigos torna o combate algo constante. O temor por encontrar um inimigo em cada esquina é constante, até mesmo porque o ângulo estático de câmera sempre pode esconder um palhaço amedrontador que esteja bem na sua frente. Sendo assim, o cuidado é essencial quando for seguir o corredor. Como se os inimigos não bastassem, ainda há uma série de armadilhas e outras coisas para se preocupar enquanto avança pelos cenários. Não espere vida fácil.

Pronta para Tudo

Para se defender, Alisa precisa usar armas encontradas na própria mansão. Diferente de muitos dos jogos atuais, Alisa se inspira nos jogos de terror dos anos 90, que prezavam pela sobrevivência. A munição é escassa e muito limitada. Não há munição suficiente para abater todos os inimigos que encontrar, mesmo sem errar tiros, e irá errar diversos tiros, pois a mira é lenta e alguns inimigos são bem rápidos. Com o mesmo controle de tanque para a mira, terá de apontar a arma e então girar o personagem para mirar no inimigo. Não dá para mirar e andar ao mesmo tempo, da mesma forma como alguns dos jogos que serviram de inspiração. Isso torna a mira complicada e irritante como era na época.

Simplesmente sair correndo por aí também não adianta muito, pois será preciso ir e voltar diversas vezes pelos mesmos corredores, e alguns inimigos são muito rápidos e podem nos alcançar. Sendo assim, uma boa dica para sobreviver é escolher em quais inimigos se deve gastar as tão preciosas balas. Se você estiver em uma sala do qual só viemos para pegar um item, não compensa matar o inimigo lá dentro. Apenas pegue o item e corra para fora, e então o inimigo não poderá nos seguir. Porém, inimigos que ficam em corredores de acesso a salas importantes devem ser eliminados, ou terá de correr deles sempre que passar por ali, correndo o risco de ser atingido e gastar os kits médicos, que também não são abundantes. A vida do jogo segue o mesmo modelo dos jogos de terror antigos, com medidor de batimentos cardíacos, e será preciso poucos ataques para ver a tela de Game Over.

Como se não bastasse toda a tensão, até mesmo salvar o jogo é limitado, pois custa dinheiro. Isso quer dizer que, se gastar toda a sua grana comprando itens munição e itens curativos, não poderá salvar o jogo. E então, quando for enfrentar o chefe ou uma área mais complicada, pode morrer e ter de fazer tudo de novo. Por isso é preciso equilíbrio, pois não faltarão áreas complicadas, com inimigos difíceis, além de chefes com ataques poderosos e bastante vida. Procure estar sempre preparado, mas não se esqueça de reservar um trocado para conseguir salvar o jogo também!

Trajada para Qualquer Ocasião

Ao longo do jogo, Alisa precisará incrementar seu equipamento e seu arsenal, e para isso há uma função de comprar itens. Há um mercador no jogo, na forma de marionete, que aparece dentro de armários específicos. Através desse mercador, poderá comprar diversos itens, como novas roupas, armas, munições, kits médicos e trajes. Para comprar itens, é preciso dinheiro, e a única forma de conseguir dinheiro é matar os diversos inimigos presentes no jogo.

Em tese, parece que a conta se fecha, mas não é bem assim. A munição vendida pelo mercador é limitada, e não será suficiente para sair matando todo mundo e “lucrar” com a morte dos inimigos. Então, não pense você que terá munição suficiente para todos. O maior custo benefício do jogo, de longe, é a espada. Com ela, poderá matar inimigos sem gastar munição, mas terá de chegar perto dos monstros, correndo o risco de receber dano. Usar a espada em inimigos fracos ou mais lentos é essencial para acumular dinheiro e, consequentemente, munição, principalmente no começo do jogo.

Alisa começa o jogo vestida como uma boneca, mas o jogo dispõe de uma série de roupas que podem ser usadas. Há diversas vestimentas disponíveis, com diferentes funções. As roupas funcionam como armaduras, pois cada roupa possui um nível de proteção e também fornece habilidades únicas e específicas, como deixar mais ágil ou aumentar o porte de munição. Elas são caras, assim como as armas mais poderosas, de modo que não terá condições de comprar tudo logo de cara. Será preciso um certo planejamento, como economizar munição por um tempo, se quiser adquirir os produtos mais caros.

Pare e Pense

Tendo como referência os jogos de terror e sobrevivência dos anos 90, não é de se surpreender que encontrará diversos quebra-cabeças, não é mesmo? O sistema de exploração é bem semelhante aos jogos da época, separando o cenário em áreas menores. Será preciso explorar cada área com atenção, para encontrar chaves, máscaras e outros objetos essenciais escondidos pelo cenário. Ao obter os itens, conseguirá destrancar portas e passagens secretas que lhe levarão cada vez mais fundo. Então, avançará para outro cenário, e assim sucessivamente.

Alisa possui diversos quebra-cabeças diferentes. São todos jogos de lógica, alguns bem simples, outros um pouco mais elaborados. A resolução muitas vezes depende apenas da lógica de entender o que se pretende, mas outras vezes a solução não estará tão evidente. O jogo possui diversos documentos espalhados pelos cenários que fornecem dicas sobre o que precisa ser feito. Essas dicas não são diretas muitas vezes, e podem aparecer na forma de poemas, ou enigmas, por exemplo. Algo mais ou menos semelhante aos primeiros jogos da série Silent Hill, mas não tão difícil assim (pelo menos eu não achei nenhum enigma tão elaborado quanto o do piano no primeiro Silent Hill). Não será nada que lhe deixará preso por muito tempo, mas certamente terá de parar um pouco e pensar para conseguir solucionar.

Alisa – Vale a Pena?

Com muito apelo nostálgico, Alisa é propositalmente datado, tanto nas qualidades quanto nos defeitos. O importante é que o jogo consegue reviver a experiência dos jogos de terror dos anos 90, e certamente conseguirá atrair seu público que se sentiu órfão quando suas franquias viraram, pouco a pouco, jogos de ação frenética. Para um jogo independente feito com muito amor, o preço vale a pena, e não irá se arrepender de comprar Alisa, caso essa seja a sua praia.

Alisa foi avaliado através de uma cópia gentilmente cedida – Agradecemos a cordialidade!

Confira também nossos outros reviews.

Alisa

Gráficos - 8
Jogabilidade - 8
Diversão - 9
Som - 9
Dificuldade - 9.5
Fator Replay - 8

8.6

Com muito apelo nostálgico, Alisa é propositalmente datado, tanto nas qualidades quanto nos defeitos. O importante é que o jogo consegue reviver a experiência dos jogos de terror dos anos 90, e certamente conseguirá atrair seu público que se sentiu órfão quando suas franquias viraram, pouco a pouco, jogos de ação frenética. Para um jogo independente feito com muito amor, o preço vale a pena, e não irá se arrepender de comprar Alisa, caso essa seja a sua praia.

User Rating: 0.55 ( 1 votes)

João Paulo Solano Lopes Filho

Sou um fã de videogames desde que me conheço por gente, principalmente de RPGs. Tento convencer os meus pais e a mim mesmo que não sou um viciado (acho).

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial